Quer contratar a Ribeira Dedetizadora e Desentupidora?Solicite um orçamento!

MANUAL DE PRAGAS URBANAS

MANUAL DE PRAGAS URBANASManual de Pragas Urbanas: elaboramos um tutorial ilustrado completo sobre os habitats, doenças transmitidas, curiosidades e como evitar as pragas urbanas. Confira!

O povo brasileiro não tem noção e a dimensão exatas de que as pragas urbanas e vetores custam à nação brasileira, refletindo de maneira negativa do Brasil no exterior, no custo Brasil e em diversas áreas, como: na exportação, no custo do SUS e do INSS, no turismo, nos agronegócios, produção industrial entre outros. Continue lendo o manual de pragas urbanas da Ribeira Dedetizadora elaborado especialmente para você.

Veja alguns exemplos e dados:

  • Perde-se cerca de 25% da produção nacional de alimentos por causa das pragas e vetores;
  • Estima-se que 50% das contaminações alimentares são causadas por pragas urbanas e vetores;
  • Calcula-se que 28% dos atendimentos do SUS, em todo o Brasil, são causados por problemas gastrointestinais, diarréias, úlceras, problemas alérgicos e dermatológicos.

Quando se fala em contaminação hospitalar, não se divulga que quase metade das contaminações é causada por pragas urbanas e vetores que circulam pelos hospitais em contato com os alimentos, equipamentos em geral, lixo hospitalar e até mesmo com os pacientes que já estão debilitados.

Não podemos achar natural que cidadãos convivam passivamente com as pragas urbanas, ratos, baratas, mosquitos, moscas, formigas, escorpiões, pulgas, carrapatos, caramujos africanos, pombos, entre outras pragas urbanas, quando sabemos que as pragas urbanas e vetores que podem nos causar doenças.

Baratas, a praga urbana de maior incidência

Baratas, a praga urbana de maior incidênciaOs tipos mais comuns, no Brasil, em área urbana são:

Blatella germanica: conhecida por baratinha de cozinha (locais onde preferem se alojar), também é conhecida como francesinha ou paulistinha, devido as faixas longitudinais claras e escuras que possui em seu dorso lembrando as respectivas bandeiras. Mede, aproximadamente, 1,2 centímetros, em 300 dias (tempo médio de vida), pode gerar até 300 ovos.

Periplaneta Americana: conhecida por barata de esgoto (local de habitat), apresenta coloração marrom-avermelhado e tamanho em torno de 4,5 centímetros. Possui tempo médio de vida de 2,5 anos, produzindo até 810 ovos.

Doenças transmitidas pelas baratas:

Depois da mosca doméstica, são as pragas urbanas que mais transmitem microrganismos causadores de doenças, podendo transportar cerca de 40 tipos de bactérias patogênicas (que causam enfermidades).

Habitat das baratas:

Apenas 35 espécies possuem hábitos adaptados aos domicílios e com importância para a saúde, sendo encontradas também em armazéns, depósitos, residências, locais comerciais e industriais, ou seja, em qualquer lugar onde estiver o homem. As demais são silvestres.

Como evitar baratas:

Evitar os 4 “A’s” – Acesso, Abrigo (rachaduras, buracos e frestas de paredes, armários, rodapés e batentes de portas), Água e Alimento. Infestações de baratas estão associadas ao estado precário de higiene.

Curiosidades sobre as baratas:

  • Para cada barata que se vê a luz do dia, existem em média 50 escondidas, pois passam até 75% do seu tempo abrigadas em esconderijos;
  • A barata pode viver até 15 dias sem água ou alimento e 30 dias somente com água proveniente da evaporação, obtida pela cocção dos alimentos.
  • As baratas têm dispersão passiva. Podem adentrar no ambiente transportadas junto às embalagens;
  • Um casal de baratas, no período de 1 ano, pode gerar até 100 mil descendentes, sendo que nos países tropicais esse número e facilmente ultrapassado.

Ratos, saiba como evitar esta praga urbana

Ratos, saiba como evitar esta praga urbanaDas mais de 1.700 espécies distribuídas pelo mundo, cerca de 125 são classificadas como pragas urbanas e 3 são de grande importância para o homem. São elas: Mus musculus (camundongo), Rattus novergicus (ratazana) e Rattus rattus (rato preto conhecido também como rato de telhado ou rato de forro).

Doenças transmitidas pelos ratos:

Os ratos podem ser transmissores de inúmeras doenças, como: leptospirose, peste bubônica, febre por mordedura de rato, disenteria, tifo, salmonelose, hantavírus, entre outras.

Habitat dos ratos:

Os ratos normalmente não moram no mesmo local onde procuram seu alimento, seu ninho pode estar de 10 a 70 metros de distância. Vivem em comunidades, sendo a sua população proporcional à oferta de alimentos. Abrigam-se em locais escondidos e são de hábito noturno.

Como evitar os ratos:

  • Colocar telas removíveis em locais de aeração;
  • Colocar lixo orgânico em latões fechados com tampa;
  • Tampar reservatórios de água;
  • Sanar vazamentos em tubulações de abastecimento de água;
  • Manter o local limpo isento de qualquer tipo de oferta de alimento.

Curiosidades sobre os ratos:

  • São responsáveis pela perda de 30% da produção nacional de grãos e 4% da população mundial;
  • Se acasalarmos 1 casal de ratos em janeiro, em dezembro teremos 180 mil descendentes e no período de 10 anos serão 48 trilhões;
  • Roedores urbanos são capazes de perceber gosto diluído até 0,05 ppm, seria o mesmo que localizar, pelo gosto, uma sardinha no meio de um porão de navio cheio de peixes ou o gosto de uma maçã podre em 1.500 barris de maçãs;
  • Os ratos conseguem sobreviver e dar continuidade à espécie em qualquer ambiente, devido a sua extraordinária adaptabilidade, exemplo: um rato da Sibéria, que possui pelagem de 11 cm, quando trazidas para o Brasil, em 6 meses já produz descendentes com 1 cm de pelagem;
  • Residências que possuem cães são atrativas para os roedores, pois o cidadão brasileiro, em geral, não remove o restante da ração após ter alimentado seu animal, ficando a mesma à mercê dos ratos.

Formigas, uma praga urbana frequente no verão

Formigas, uma praga urbana frequente no verãoDentre as espécies de formigas de maior ocorrência e importância em área urbana, tem-se: Tapinoma melanocephalum (formiga fantasma), Paratrechina longicornis (formiga-louca) e a Monomorium pharaonis (formiga-faraó) todas originadas da África.

Doenças transmitidas pelas formigas:

As formigas são nocivas, pois transportam em seu corpo microrganismos patogênicos, atuando como vetores e doenças. Também podem destruir colheitas. As formigas atuam como vetores de infecções provocadas por fungos no ambiente hospitalar e residencial.

Habitat das formigas:

Em geral as três espécies de formigas citadas acima são encontradas em hospitais e residências.

Formigas fantasmas: fazem seus ninhos atrás de azulejos, batentes de portas e rodapés. Saem para se alimentar, formando trilhas irregulares e andando rapidamente em zig zag. Têm preferência por alimentos açucarados.

Formigas-louca: são chamadas assim, por andarem irregularmente, quase em círculos, sem sentido direcional. Tem coloração marrom e preta. Constroem os ninhos fora dos prédios, nas calçadas, revestimentos externos das paredes e entram nas casas por janelas, portas, etc.

Formigas-faraó: têm coloração marrom-amarelada e fazem seus ninhos em diversos locais, até em aparelhos eletrodomésticos. Não andam muito rápido e fazem a trilha em linha reta.

Como evitar formigas:

  • Tapar frestas, rachaduras, fendas das residências. É ali que as formigas constroem seus ninhos;
  • Ao descobrir uma colônia esfregar a área com uma esponja ou pano umedecido com desinfetante, aquele utilizado para lavar louça;
  • Criar barreiras para impedir o acesso aos alimentos, como colocar um açucareiro em um prato com água;
  • Evitar migalhas de pão, doces e biscoitos, limpando o local onde foi feita a alimentação, logo após o consumo;
  • Não deixar a louça suja na pia para ser lavada no dia seguinte.

Curiosidades sobre as formigas:

  • As formigas reprodutoras deixam o formigueiro original na forma alada, se acasalam e formam novas colônias, ao cair no chão, 99% das formigas não sobrevivem devido as condições pouco favoráveis (chuvas e predadores naturais), mesmo assim a cada ano sua população aumenta 3 vezes o número;
  • Existem 23 tipos de formigas responsáveis pela contaminação hospitalar.

Pombos também são pragas urbanas

Pombos também são pragas urbanasOs pombos, apesar de serem considerados símbolos da paz, transmitem uma série de doenças, que podem levar até a morte.

Doenças transmitidas pelos pombos:

  • Criptococose (mal das cavernas);
  • Histoplasmose;
  • Ornitose (psitacose);
  • Salmonelose;
  • Além de dermatites e alergias.

A maioria dessas doenças é transmitida ao homem através das fezes de pombos contaminadas, pela aspiração de partículas contaminadas por presentes nos dejetos secos e pela contaminação dos alimentos mal lavados.

Habitat dos pombos:

Utilizam locais altos como abrigo: beirais, parapeitos, vãos de ar condicionado. Alimentam-se num raio de 200 metros no mínimo. Podem comer grãos, raçoes, sobras no lixo, insetos, larvas, frutos e sementes de árvores e plantas.

Como evitar os pombos:

  • Através do controle do abrigo, instalação de tela ou alvenaria nos vãos;
  • Esticar fios de nylon ou arame em locais de pouso, como beirais, muros, floreiras, a uma altura de 10 centímetros do local do pouso. Caso necessário, esticar fios a cada 3 centímetros;
  • Utilizar objetos pontiagudos para se evitar o pouso;
  • Aplicação de gel repelente;
  • Mudar o ângulo de inclinação da superfície onde eles pousam para superior a 60 graus;
  • Utilizar objetos brilhantes e com movimento para assustá-los;
  • Aplicar produtos com odores fortes como creolina, naftalina ou formalina, que os afastam por algum tempo.

Curiosidades sobre os pombos:

  • Se existe infestação, é porque no local existe oferta de alimento e abrigo;
  • São considerados animais silvestres e protegidos por leis ambientais.

Moscas, a praga urbana que mais causa infecções

As moscas são insetos que pertencem à ordem Díptera e possuem um par de asas. Conhece-se aproximadamente 120.000 espécies de dípteros e estima-se que existam mais 1 milhão de espécies viventes. As moscas de importância como praga urbana são as moscas domésticas e as varejeiras.

Doenças transmitidas pelas moscas:

As moscas existem praticamente em todos os lugares do planeta só não ocorrendo nos pólos. A mosca doméstica (Musca domestica) e a mosca varejeira atuam como transportadores mecânicos de agentes patogênicos (vírus, protozoários, bactérias e ovos de helmintos). As últimas causam as miíases, também conhecidas por bicheiras ou bernes.

As moscas contaminam o alimento quando pousam nele, após terem pousado em locais contaminados, dispersando assim doenças.

Habitat das moscas:

Se proliferam os locais úmidos e quentes, obrigatoriamente em matéria orgânica em decomposição. Se reproduzem rapidamente e ficam em ambientes com oferta de alimento. Depositam seus ovos em fezes de animais ou humanas.

Como evitar moscas:

  • Manter o local sempre limpo, jogar o lixo sempre na lixeira e mantê-la tampada;
  • Não deixar resto de comida destampado e não deixar água parada;
  • Colocar telas em portas e janelas;
  • Fazer a higiene do seu animal de estimação.

Curiosidades sobre as moscas:

  • Uma mosca pode carregar em seu corpo milhões de microrganismos nocivos à saúde;
  • As moscas batem as asas até 200 vezes por segundo, seno que alguns mosquitos alcançam recorde de até 1.000 vezes por segundo. O número de batidas das asas está relacionado com o peso do inseto, no caso das borboletas o batimento das asas é de 4 a 20 vezes por segundo;
  • Estudos demonstram que cerca de 50% das moscas morrem nos primeiros 6 dias de vida, mesmo assim o potencial reprodutivo das moscas domésticas é notável. A fêmea coloca até 120 ovos por postura, realizando 8 posturas por toda a sua vida, portando uma única fêmea tem a possibilidade de gerar até 920 novos indivíduos.

Mosquitos a praga urbana mais comentada atualmente

Mosquitos a praga urbana mais comentada atualmenteOs mosquitos, também conhecidos por pernilongos, muriçocas, sovelas, mosquito-prego, carapanãs, pertencem a classe insecta e ordem Diptera, assim como as moscas.

Doenças transmitidas pelos mosquitos:

São de grande importância na saúde pública, pois podem transmitir várias doenças, como a febre amarela, dengue, malária, a recente chykugnia, filiariose, alguns tipos de encefalite, etc.

Os mosquitos também são grandes causadores de incômodo, sendo que muitas áreas de recreação deixam de ser utilizadas devido à presença desse inseto em determinadas épocas do ano. Dentre as espécies importantes de mosquitos estão o gênero Anopheles, Aedes e Culex.

Habitat dos mosquitos:

Os mosquitos vivem em locais próximos a água ou em ambientes relativamente quentes e úmidos. São insetos que fazem a sua revoada ao amanhecer e ao entardecer. As fêmeas colocam seus ovos na água e, em grande maioria são hematófagas, ou seja, se alimentam diretamente de sangue.

Como evitar mosquitos:

  • Não deixar água acumulada;
  • Usar tela em janelas e portas;
  • Preservar os seus inimigos naturais (lagartixas e sapos);
  • Manter lixos e sujeira longe de casa e não jogar em rios e terrenos baldios.

Curiosidades sobre os mosquitos:

  • Grande quantidade de acidentes de trabalho são atribuídos aos insetos (principalmente mosquitos), que podem interferir no sono e no descanso do trabalhador, morador de periferia;
  • À cada ano 300 à 500 milhões de pessoas no mundo, contraem malária, sendo que grande parte desses casos acabam em morte. Estima-se que cerca de 300 crianças morrem de malária por hora.

Cupins considerada uma das pragas urbanas mais vorazes

Cupins considerada uma das pragas urbanas mais vorazesCupins ou térmites são insetos sociais que se alimentam de celulose (composta de vegetais, madeiras, gramas, raízes, húmus, solos e fezes de herbívoros). São conhecidas no mundo cerca de 2.000 espécies de cupins e só no Brasil, cerca de 250 espécies.

Dentre as espécies de cupins mais comuns na região Sudeste do país, se destacam: Cupins de madeira (Cryptotermes brevis) e cupins subterrâneo ou de solo (Coptotermes gestroi e Heterotermes sp.).

Habitat dos cupins

O habitat das colônias dos cupins: madeira em contato com o solo (raízes, estacas, cercas, etc.), dentro de edificações (no forro, em vãos livres) ou no solo abaixo da estrutura, próximos as fontes de umidade como: pontos de umidade, torneiras, drenagem impropria. Podem viver em qualquer tipo de solo.

Como evitar cupins:

  • Reduzir entulhos e sujeiras (derivados de celulose) que se tornam fontes de alimentos para os cupins;
  • Eliminar o excesso de umidade, vazamentos, infiltrações, evitando podridão das madeiras;
  • Verificar se existe infestações em árvores perto do ambiente que está atingindo;
  • Na estrutura da casa e móveis optar por madeiras mais resistentes ao ataque de cupins.

Curiosidade sobre os cupins

  • Uma maneira de diferenciação entre a broca da madeira e o cupim de madeira seca é através de suas fezes. As da broca se apresentam como um pó bem fino (talco), e as do cupim de madeira seca como um pó mais granuloso (areia);
  • Uma só colônia de cupins pode ter várias ramificações e infestar várias residências;
  • É incorreto pensar que os cupins se alimentam de concreto, eles somente utilizam a porosidade, rachaduras do concreto, como vias de condução, assim como falhas no encanamento e outros;
  • Não há madeira que o cupim não ataque, porém a preferência por madeiras mais moles, que oferecem menor resistência (você prefere bife de ponta de peito ou filé mignon?).
  • Há espécies que colocam 80.000 ovos por dia. As nacionais em média, postam 20.000 e vivem em média 22 anos;
  • Uma colônia pode demorar até 4 anos para exteriorizar, porém já estará composta por milhões de indivíduos.

Aranhas assim como os escorpiões esta praga urbana causa muitos acidentes

As aranhas pertencem à classe dos aracnídeos e ao filo dos artrópodes. As aranhas venenosas mais comuns são: aranha-marrom, viúva-negra e a armadeira. A aranha caranguejeira, apesar de ter porte grande, em sua maioria, salvo em raras exceções, não são venenosas. As aranhas conhecidas por papa-moscas ou meirinhas (família Salticidae), podem picar como defesa, mas não apresentam gravidade.

Habitat das aranhas:

A aranha-marrom: vive em teias irregulares (parecida com algodão-doce) que constrói em frestas de cascas de árvores, em barrancos, entre pilhas de tijolos, telhas e madeira acumulada, em cantos de paredes e nos sótãos das casas. Não são agressivas, mas picam quando pressionadas. Seu veneno causa, normalmente, uma lesão na pele, e eventualmente, induz efeitos sistêmicos que podem ser letais.

A viúva-negra: é pequena, tem as patas finas e apresenta, em geral, abdômen negro com uma mancha vermelha com formato de ampulheta. Sua picada causa dor imediata e sensação de queimação.

As armadeiras: têm hábitos noturnos, vivem em arbustos, folhagens, bromélias, nas matas e são muito comuns na periferia de áreas urbanizadas, invadindo casas, galpões e garagens. Ao serem perturbadas levantam os pares superiores para saltar sobre a vítima como forma de defesa. Sua picada provoca dor intensa no local atingido e às vezes inchaço no local da picada e febre. Em alguns casos podem causar alergias respiratórias.

Como evitar aranhas:

  • Manter limpos quintais evitando acúmulo de folhas secas, lixo e entulhos;
  • Usar luvas de couro ao manusear materiais de construção, pois as aranhas podem estar abrigadas dentro das mesmas;
  • Tapar frestas, rachaduras, fendas das residências;
  • Usar telas em ralos do chão, pias e tanques;
  • Acondicionar o lixo em recipientes fechados para evitar baratas e outros insetos, que servem de alimento às aranhas;
  • Manter berços e camas afastados das paredes;
  • Examinar calçados, roupas e toalhas antes de usá-los.

Curiosidade sobre as aranhas:

  • Aconteceu na Inglaterra: uma jovem procurou um médico com fortes dores de ouvido, quando analisada, constatou-se a presença de uma aranha, a qual já se encontrava em estado de ovoposiçao;
  • “Garantia de serviço”: quando os inseticidas clorados tiveram seu uso proibido por causarem poluição ambiental e sérios danos à saúde, encerrou-se a era das garantias a longo prazo, com o emprego de inseticidas degradáveis, cuja ação residual depende do local tratado, a garantia não dever ser maior que 60 dias.

Escorpião esta praga urbana pode ser fatal

Escorpião esta praga urbana pode ser fatalOs escorpiões são provavelmente os aracnídeos mais antigos de que se tem conhecimento. São animais que habitam todos os continentes, exceto os pólos. Vivem em terra firme e em quase todos os ecossistemas terrestres como desertos, savanas, florestas tropicais e temperadas.

Todos os escorpiões possuem a peçonha, mas nem todos os venenos são capazes de causar algum dano a espécie humana. No Brasil a família Buthidae é representada pelo gênero Tityus, sendo a espécie de importância médica para o nosso país, a Tityus stigmurus (presença de triângulo escuro na face dorsal anterior do cefalotórax), Tityus serralatus (escorpião amarelo) e Tityus bahiensis (escorpião marrom). A gravidade da picada estar relacionada à proporção entre quantidade de veneno injetado e a massa corporal do indivíduo picado.

Habitat dos escorpiões:

Encontram-se em esconderijos em velhas construções, sob os dormentes dos trens, dentro de sapatos e roupas, etc. O escorpião Tityus stigmurus ocorre frequentemente em todos os estados da região nordeste do país, principalmente nas cidades de Fortaleza, Maceió e no estado da Bahia.

O escorpião amarelo ocorre desde o sul da Bahia, Goiás, Distrito Federal, é mais frequente na região sudeste, e, atualmente, há registros no Paraná e Santa Catarina. É a espécie que mais causa acidentes graves no país. O escorpião marrom é mais comum nas regiões sudeste e sul do país e no Mato Grosso do Sul.

Como evitar escorpiões:

  • Manter os jardins e quintais limpos;
  • Evitar formação de entulhos;
  • Limpar periodicamente terrenos baldios vizinhos próximos da faixa de 1 a 2 metros das casas;
  • Preservar alguns dos inimigos naturais dos escorpiões (camundongos, galinhas, macacos, sapos, aranhas, corujas, lagartos, formigas entre outros);
  • Sacudir as roupas e calçados antes de usá-los.

Pulga e Carrapato as pragas urbanas terror dos pets

Pulga e Carrapato as pragas urbanas terror dos petsAs pulgas e os carrapatos são artrópodes que se alimentam de sangue. As espécies mais comuns de pulgas são: Xenopsylla cheopis, Xenopsylla brasiliensis, Pulex irritans, Ctenocephalides felis felis (pulga-do-gato), Tunga penetrans (bicho-de-pé), Ctenocephalides canis (pulga-do-cão). As espécies mais comuns de carrapatos são: Amblyomma cajenense (carrapato-estrela), Amblyomma aureolatum, Boophius microplus, Rhipicephalus sanguineus (carrapato do cão).

Doenças transmitidas pelas pulgas e carrapatos:

As pulgas podem causar sérias inflamações da pele (dermatites) e reações alérgicas nos seres humanos. Existe uma proteína na secreção oral da pulga que é absorvida pelo ser humano no ponto de inoculação (picada). Podem transmitir salmonelose (doença intestinal causada por bactéria) e Mixomatose (transmitida pela pulga Spilopsyllus cuniculi).

Os carrapatos transmitem a Tuleramia e a Febre maculosa (transmitida pela picada do carrapato infectado com a bactéria Rickettsia rickettsii).

Habitat das pulgas e carrapatos:

As pulgas gostam de frequentar frestas de assoalhos, de rodapés, debaixo dos colchões, tapetes e carpetes.

Os carrapatos, assim como as pulgas, parasitam animais em geral, atacando até mesmo o homem. Podem ser encontrados em fezes, onde se alimentam e colocam os ovos.

Como evitar pulgas e carrapatos:

  • Evitar andar descalço por causa da pulga conhecida como bicho-de-pé;
  • Não esmagar os carrapatos com as unhas, pois com isso, pode haver liberação de microrganismos, que possuem a capacidade de penetrar em lesões na pele;
  • Cuidar da higiene de cães e gatos e demais animais domésticos, cuidar inclusive de seus locais de repouso.

Deixe um comentário para: Manual de Pragas Urbanas

Compartilhe!

Web Design: