Quer contratar a Ribeira Dedetizadora e Desentupidora?Solicite um orçamento!

O que é tríplice lavagem e como funciona?

A tríplice lavagem é um método utilizado para desativar restos e resíduos de inseticidas contidos nas embalagens originais de agrotóxicos.

Um dos grandes problemas gerados pelas empresas de dedetização e aplicadoras de produtos agrotóxicos, recentemente denominados como desinfestantes ou domissanitários, e que deve ser equacionado, é a questão da carga poluidora representada pelos restos das caldas inseticidas que utiliza em seu trabalho e para evitar a contaminação do meio ambiente a tríplice lavagem feita de maneira correta é o método mais indicado.

A tríplice lavagem serve para diminuir os restos e resíduos agrotóxicos que ficam aderidos às paredes internas das embalagens dos inseticidas, aderidos aos materiais e utensílios que entraram em contato direto com a embalagem do agrotóxico e também os restos contidos nos pulverizadores ou outros equipamentos ao final da jornada de trabalho.

Se simplesmente lavarmos numa pia esses materiais, equipamentos e embalagens despejando seu conteúdo com agrotóxicos diretamente ralo abaixo, estaremos aumentando a carga poluidora da rede pública de esgotos que, como sabemos, na maioria das vezes vai acabar em um curso d’água às vezes sem qualquer tratamento e dali para o mar ou rio, com consequências sempre imprevisíveis.

Dentro de um crescente grau de consciência ecológica que essas empresas devem ter (e cultivar), será preciso, se não resolver completamente essa questão, no mínimo diminuí-la significativamente, de forma a que o trabalho de uma empresa dedetizadora e do setor de agricultura não seja gerador de poluição ambiental, mais do que o estritamente necessário. Na prática, algumas alternativas podem ser postas em prática com esse objetivo e exatamente o tópico abordado nesse artigo, o que é tríplice lavagem e para que serve.

O que é Tríplice Lavagem?

A tríplice lavagem das embalagens laváveis tem por objetivo o impedimento de manutenção de resíduos de agrotóxicos na embalagem a ser restituída para reutilização por parte dos produtores agricultores e profissionais de controle de pragas e insetos, bem como para evitar que restos de inseticidas agrotóxicos ressecados se acumulem nas embalagens, o que implicaria em uma maior dificuldade em sua total limpeza.

A lavagem tríplice ou sob pressão se encontram regulamentadas na grande maioria dos países desenvolvidos e devidamente normatizadas nas legislações estaduais que tratam sobre destinação final das embalagens vazias de praguicidas. É justamente esse procedimento de tríplice lavagem que a Ribeira Dedetizadora e Desentupidora utiliza atualmente.

Algumas empresas sugerem que, durante a tríplice lavagem, as embalagens sejam lavadas com álcalis (detergentes e sabões) para uma maior e melhor remoção de agrotóxicos contidos nas embalagens e neutralizá-las antes de irem ao ambiente.

Abaixo citamos 05 procedimentos de como funciona a tríplice lavagem, à livre escolha fica a escolha do profissional que nos lê.

1. Como funciona a Tríplice Lavagem mais utilizada

Aprenda a fazer esse método de tríplice lavagem:

  1. Esvaziar totalmente o conteúdo da embalagem no tanque pulverizador;
  2. Adicionar água limpa à embalagem até ¼ do seu volume;
  3. Tampar bem a embalagem e agitar por 30 segundos;
  4. Despejar a água da lavagem no tanque pulverizador;
  5. Repetir essa operação mais 2 vezes (itens 2, 3 e 4);
  6. Inutilizar a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo;
  7. Armazenar em local apropriado até o momento da devolução.

Quanto menor for a quantidade de água restante na embalagem de uma lavagem para outra, mais correta e eficiente será a limpeza da embalagem e tríplice lavagem de agrotóxicos.

2. Tríplice Lavagem sob pressão

Confira como é feita a tríplice lavagem sob pressão:

  1. Após o esvaziamento, encaixar a embalagem no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
  2. Acionar o mecanismo para liberar o jato de água limpa;
  3. Direcionar o jato de água para todas as paredes internas da embalagem por 30 segundos, movimentando a ponta, de modo que o jato de água atinja todas as partes da superfície interna da embalagem lavavel;
  4. A água de lavagem deve ser transferida para o interior do tanque do pulverizador;
  5. Inutilizar a embalagem plástica, perfurando o fundo;
  6. Armazenar em local apropriado até o momento da devolução.

É muito importante que a tríplice lavagem seja realizada pelo usuário logo o esvaziamento da embalagem, ainda no preparo da calda, a fim de evitar que os resíduos de inseticidas formem crostas na parede da embalagem agrotóxica devido o ressecamento e assim dificultando a sua remoção. Atenção: Para a tríplice lavagem sempre utilizar água limpa.

Após serem lavadas e inutilizadas, as embalagens laváveis devem ser seguramente guardadas em local isolado até serem destinadas a uma Unidade de Recebimento, acondicionadas de preferência na caixa de papelão original quando possível.

Certificar que as embalagens estejam lavadas e inutilizadas adequadamente, impossibilitando de serem reutilizadas, armazenar as embalagens longe de pessoas e animais, não guardar junto de alimentos e rações.

3. Tríplice Lavagem com álcalis

Esse procedimento de tríplice lavagem com álcalis trata-se de um dos melhores e mais simples métodos para lavar embalagens de produtos agrotóxicos. Bastante empregado no campo para desativar pesticidas agrícolas, a tríplice lavagem foi convenientemente adaptadas para desativar desinfestantes domissanitários com igual sucesso.

Fundamentalmente, essa tríplice lavagem trata-se da submissão das embalagens de inseticidas, assim que esvaziadas, as três lavagens sucessivas com álcalis. Esse procedimento é capaz de remover a maior parte dos restos de agrotóxicos ainda contidas nas embalagens vazias e neutralizá-las devidamente. O método baseia-se no fato de que os álcalis (detergentes e sabões) são inimigos mortais dos inseticidas.

Veja como funciona a tríplice lavagem:

A tabela abaixo mostra esquematicamente, como funciona a tríplice lavagem e a tabela facilita a preparação da solução neutralizadora com a qual cada embalagem deverá ser lavada 03 vezes.

SOLUÇÃO REMOVEDORA DE INSETICIDAS DAS EMBALAGENS – LAVAR TRÊS VEZES
CAPACIDADE DA EMBALAGEM A SER LAVADA ÁGUA DETERGENTE SODA CÁUSTICA
01 litro 1,5 litro 03 colheres de sobremesa 03 colheres de sobremesa
05 litros 4,5 litros 06 colheres de sobremesa 03 colheres de sopa
20 litros 15 litros 06 colheres de sopa 03 xicaras de chá
100 litros 60 litros 03 xicaras de chá 06 xicaras de chá
200 litros 90 litros 4,5 xicaras de chá 09 xicaras de chá


Modo de preparo:

  1. Prepare a solução removedora;
  2. Encha a embalagem vazia com um terço da solução removedora preparada;
  3. Agite bem e esvazie a embalagem;
  4. Repita os passos 02 e 03 mais duas vezes;
  5. Inutilize a embalagem que passou pelo processo da tríplice lavagem, furando no fundo para posterior envio dos frascos de agrotóxicos para as unidades de recebimentos autorizadas.

Depois de assim lavadas, essas embalagens de inseticidas devem ser perfuradas um ponto para que ninguém possa desavisadamente fazer qualquer uso posterior. Devem também passar por essa tríplice lavagem, o copo medidor o misturador, funis e tudo o mais que teve contato com o inseticida concentrado.

4. Tríplice Lavagem com tríplice enxágue

Uma interessante alternativa para a tríplice lavagem, é o tríplice enxágue que simplifica enormemente a limpeza dos frascos vazios dos agrotóxicos. Quando se termina um frasco de um inseticida concentrado de uso profissional, cerca de 1% do produto pode ainda permanecer no interior da embalagem, por exemplo, numa embalagem de 01 litro, restará por volta de 10 ml de agrotóxico aderido às paredes internas do frasco, já que a maioria desses inseticidas são oleosos. Esse resíduo deve ser removido antes que a embalagem receba alguma destinação final.

Confira como funciona tríplice lavagem pelo procedimento de tríplice enxágue:

  1. Aguarde o próximo serviço (dedetização) onde você vai usar esse mesmo inseticida;
  1. Pouco antes de preparar a nova calda com o mesmo produto e mais algum outro desinfestante (se for o caso), encha o frasco do agrotóxico a ser limpo com água, agite bem e despeje diretamente no tanque do equipamento (eventualmente um pulverizador) onde você irá preparar a calda inseticida para ser usada no próximo serviço. O que terá sido feito? Ao esvaziar esse frasco vertendo o conteúdo no pulverizador, você deixará na embalagem, 1% do volume original (a água mais o resíduo do agrotóxico que originalmente estava nessa embalagem). Em outras palavras, restará apenas 0,1 ml do inseticida;
  1. Se você encher uma segunda veze esse frasco de 01 litro com água, agitá-lo e tornar a esvaziá-la no pulverizador, o que vai acontecer? Novamente teremos reduzido o conteúdo original (0,1 ml) para apenas 1% do que havia restado. Portanto, agora teremos não mais que 0,001 ml do produto original daquela embalagem;
  1. Uma terceira enxaguada praticada da mesma maneira, reduzirá a quantidade dos resíduos originais do inseticida naquela embalagem, a não mais de … 0,00001 ml que é absolutamente desprezível.
  1. Agora, podemos finalizar a calda misturando os agrotóxicos que pretendíamos usar no próximo serviço completando o volume do tanque do pulverizador com água e adicionando a quantidade certa do inseticida em questão. A calda estará pronta para uso. Ao mesmo tempo, a embalagem lavável estará completamente limpa, podendo ser encaminhada para a unidade de recebimento.

A tríplice lavagem com tríplice enxague é simples de ser praticado, produz bons resultados, mas requer constante supervisão para que passe a ser um hábito entre os operadores.

As informações abaixo resumem esse método de tríplice lavagem:

  1. Encha a embalagem vazia com água;
  2. Agite bem e despeje o conteúdo no tanque pulverizador;
  3. Repita os passos 1 e 2 mais duas vezes;
  4. Inutilize a embalagem lavada, furando no fundo e encaminhe para a unidade de recebimento autorizada.

5. Tríplice Lavagem com tanque de desativação

Na nossa opinião a tríplice lavagem com tanque de desativação é uma lavagem de agrotóxicos mais complexa, além de um elevado custo. A adoção dos tanques de desativação na tríplice lavagem como método alternativo para diminuir substancialmente a carga poluidora da água resultante da lavagem dos equipamentos, materiais e utensílios que tenham entrado em contato direto com os inseticidas. Para nossa surpresa e satisfação, o procedimento é bem aceito e inúmeras empresas controladoras de pragas e insetos e mesmo alguns serviços ligados ao controle de vetores, adotaram essa tríplice lavagem.

Em síntese, através desse sistema, a água contaminada por inseticidas resultante da lavagem dos equipamentos e dos frascos vazios, será recolhida num primeiro tanque aberto, exposto diretamente à luz solar, às variações da temperatura ambiente e à presença de álcalis (sabões, detergentes e soda), pelo menos por um período de sete dias.

Em seguida, o conteúdo desse primeiro tanque deverá ser passado para um segundo tanque também aberto disposto em nível mais baixo, onde permanecerá por mais sete dias, quando a ação dos poderosos inimigos dos agrotóxicos continuará presente. Decorridos esses dois períodos, os venenos ali contidos terão sofrido forte desativação (por fotólise, hidrólise, termólise e neutralização) e essa calda poderá ser então despejada na rede pública de esgoto, sem que represente maior carga poluidora para o meio ambiente.

A capacidade dos tanques de desativação depende do volume semanal de água utilizada na lavagem das embalagens vazias de inseticidas, dos materiais, instrumentos e equipamentos que com eles entraram em contato. Duas caixas d’água de 500 litros cada pode perfeitamente suprir as necessidades da maioria das empresas dedetizadoras de pequeno e médio porte.

Portanto, meu amigo, daqui para frente você não vai mais poder alegar desconhecimento sobre a tríplice lavagem. Aí estão 05 opções à sua escolha. O que se espera é que você como profissional e como cidadão, faça alguma coisa para evitar ser um poluidor a mais. Não se esqueça que você tem a obrigação de entregar a seus filhos um ambiente preservado e integro, tanto quanto possível, um dia eles vão lhe agradecer por sua preocupação.

Embalagens isentas de lavagem

  • Embalagens flexíveis: como sacos ou saquinhos plásticos, sacos multifoliados, sacos aluminizados, de papel, mistos ou outros materiais flexíveis e embalagens rígidas com formulações não miscíveis em água, são todas embalagens não laváveis.
  • Embalagens secundárias: precisam ser igualmente devolvidas, entretanto não passam pelo processo de lavagem. São embalagens rígidas ou flexíveis que armazenam e acondicionam as embalagens primárias e, nesse caso, não entram diretamente em contato com o agrotóxico. Por não terem o contato direto com o inseticida, são consideradas embalagens não contaminadas e não perigosas. Fazem parte deste grupo as caixas de papelão, cartuchos de cartolina, fibrolatas e as embalagens termomoldáveis.

Procedimentos para o preparo das embalagens não laváveis pela ANDEF

Segue abaixo os procedimentos para o preparo das embalagens não laváveis pela ANDEF (Associação Nacional de Defesa Vegetal): 

  • Embalagens flexíveis primarias: que entram em contato direto com as formulações, como: sacos ou saquinhos plásticos, sacos multifoliados, sacos alumizados, de papel ou outros materiais flexíveis deverão ser acondicionados em embalagens padronizadas (sacos plásticos transparentes), todas fechadas e identificadas.
  • Embalagens flexíveis secundárias: não contaminadas, como caixas coletivas de papelão, cartucho de cartolina e fibrolatas, deverão ser armazenadas separadamente das embalagens contaminadas e poderão ser utilizadas para o acondicionamento das embalagens lavadas ao serem encaminhadas para as unidades de recebimento.
  • Embalagens rígidas primárias: cujos produtos não utilizam água como veículo de pulverização deverão ser acondicionadas em caixas coletivas de papelão, todas devidamente fechadas e identificadas.

Ao acondicionar as embalagens rígidas primárias, estas deverão estar completamente esgotadas, adequadamente tampadas e sem sinais visíveis de contaminação externa. Todas as embalagens não laváveis deverão ser armazenadas em local isolado, identificado com placas de advertência, ao abrigo das intempéries com piso pavimentado, ventilado, fechado e de acesso restrito.

As embalagens não laváveis poderão ser armazenadas no próprio depósito das embalagens cheias, desde que devidamente identificadas e separadas das embalagens lavadas.

A RDC 52/2009 trouxe a regulamentação dos procedimentos gerais do setor domissanitário. Nas legislações que dispõem sobre agrotóxicos, como advento da RDC 52/2009, passa-se a entender que os agentes desinfestantes domissanitários e correlatos, deverão observar as mesmas obrigações a que se submetem os agentes do setor agroquímico.

Embalagens laváveis e não laváveis 

EMBALAGENS LAVÁVEIS E NÃO LAVÁVEIS
TIPO DE EMBALAGEM LAVÁVEL NÃO LAVAVEL RÍGIDA FLEXÍVEL RECICLÁVEL NÃO RECICLÁVEL
Caixas de papelão X X X
Tambor de fibra X X X
Plástico rígido X X X
Tampas X X X
Garrafa PET X X X
Metálicas X X X
Balde Plástico X X X
Bandeja bloco parafinado X X X
Latas de aerossol X X X
Seringa X X X
Cartucho de papel X X X
Flexível alumínio X X X
Flexível plástico X X X
Sachê papel raticida X X X
Sachê plástico raticida X X X
Saco plástico X X X

É permitida a reprodução parcial ou total deste conteúdo em outros sites e/ou blogs desde que mencionada a fonte – Fonte: Ribeira Dedetizadora – http://www.ddribeira.com.br/

Compartilhe!

Web Design: